DOENÇAS DA COLUNA

Escoliose

O diagnóstico de escoliose é mais comum do que imaginamos e chega a estar presente em até 3% da população em geral. A escoliose é definida quando existe uma curva na coluna maior do que 10° no plano coronal (olhando de frente ou de costas). Ela pode ser dividida em:

1)   Escoliose Idiopática (mais de 80% dos casos)

2)   Escoliose congênita

3)   Escoliose neuromuscular

4)   Escolioses secundárias a outras doenças

Falaremos aqui da Escoliose Idiopática, por ser a mais frequente na população em geral. O termo “idiopática” é sinônimo de “sem causa”, isto é, nenhuma origem é encontrada para o seu surgimento. Ela é normalmente dividida em 4 grupos de acordo com a idade de início:

1)  Do nascimento aos 3 anos de idade - escoliose infantil

2)  De 3 a 9 anos de idade - escoliose juvenil

3)  De 10 a 18 anos - escoliose do adolescente

4)  Após 18 anos – escoliose do adulto

A escoliose idiopática do adolescente corresponde aproximadamente a 80% dos casos de escoliose idiopática.

O risco de progressão da curva é maior durante a puberdade, quando a taxa de crescimento do corpo é mais rápida. A Escoliose, nessa faixa etária, é muito mais prevalente em meninas do que em meninos e meninas são oito vezes mais propensas a precisar de tratamento para escoliose. Ainda assim, a maioria dos casos de escoliose são leves e não requerem tratamento.

É importante observar que a escoliose idiopática pode determinar deformidade da coluna vertebral e das costelas, porém a dor nas costas é rara.

Em crianças e adolescentes, a escoliose muitas vezes não têm nenhum sintoma visível e não é perceptível até que a curva tenha progredido significativamente.

Existem alguns sinais físicos comuns que podem indicar escoliose:

• Um ombro é mais alto do que o outro

• Um ombro sobressai mais que o outro

• Um lado da caixa torácica parece maior do que o outro

• Um quadril aparece mais alto ou mais proeminente do que o outro

• A cintura pode parecer desigual

• O corpo se inclina para um lado

• Uma perna pode parecer menor do que a outra


O diagnóstico precoce é essencial para que o tratamento da escoliose seja mais eficaz. Em geral, as pessoas com história familiar de deformidade da coluna vertebral estão em maior risco de desenvolver escoliose.

Para uma avaliação completa, é fundamental consultar um especialista em coluna para avaliar clinicamente pelo exame físico e, adicionalmente, com exames complementares de imagem. 

TRATAMENTO DA ESCOLIOSE

A decisão do tipo de tratamento é baseada principalmente em dois fatores:

# O valor angular da curva (magnitude da curva)

# A maturidade esquelética do paciente (quanto de crescimento ainda é esperado)

Em geral, quanto maior o valor angular da curva e menor a maturidade esquelética do paciente, mais provável é a progressão da escoliose.

Existem basicamente três opções de tratamento da escoliose em adolescentes:

1) Observação

2) Órteses (coletes)

3) Cirurgia

1) Observação

É realizada com observações periódicas clínicas e de exames de imagem de 4 a 6 meses durante a fase de crescimento. Geralmente está indicada em curvas menores do que 20o.

2) Órteses (coletes)

As órteses são projetadas para diminuir a progressão da curva, e não tem por objetivo reduzir a quantidade de angulação que já está presente. A grande progressão da curva acontece durante a fase de crescimento da criança e adolescente, e uma vez que o crescimento osseo acabou, há pouca probabilidade de progressão de uma curva. Portanto, as órteses geralmente são mantidas até o término do crescimento osseo do indivíduo. Esses dispositivos geralmente estão indicados em curvas entre 20 e 40o..

Existem dois tipos de coletes comumente utilizados: uma órtese cérvico-tóraco-lombossacra (CTLSO – Milwaukee) e uma órtese tóraco-lombar sacral (TLSO). O modelo correto de colete e sua real indicação sempre deve ser avaliado por um médico especialista.

3) Cirurgia

A cirurgia para a escoliose idiopática começa a ser recomendada quando as curvas são maiores do que 40 a 45 graus e continuam a progredir, e para a maioria dos pacientes com curvas maiores que 50 graus. Essa avaliação sempre deve ser feita em conjunto com o exame físico do paciente e deve ser avaliada criteriosamente caso a caso. O principal objetivo da cirurgia da escoliose é evitar a progressão da deformidade sendo possível na maioria das vezes a redução da sua angulação.

Curvaturas graves (maior que 50 graus) são mais propensas a progredir na vida adulta. Quando uma curva progride para 70-90 graus, ela não só determina uma deformidade muito ruim, mas muitas vezes pode resultar em comprometimento cardiopulmonar, por diminuir o espaço disponível para os pulmões e o coração.

Normalmente, cerca de 50% ou mais de correção pode ser obtido com a cirurgia utilizando sistemas de instrumentação (materiais cirúrgicos) modernos. Esses materiais utilizados são compostos por parafusos, ganchos e hastes metálicas com o objetivo de manter a coluna alinhada.

Uma vez que ocorre a fusão óssea após a cirurgia, a coluna vertebral não se move naquele segmento e a curva para de progredir. Geralmente não é necessária a remoção dessas hastes e parafusos.

A cirurgia é realizada na região posterior da coluna (parte de trás das costas) e em alguns casos especiais e raros de curvas rígidas, pode ser associada uma cirurgia pela frente.

Geralmente o procedimento tem duração média de 3 a 5 horas. Em todos os casos são utilizados equipamentos especiais de monitoração da função neurológica do paciente durante todo o procedimento de correção da curva (potencial evocado somatossensitivo).

Como é o pós-operatório no hospital?

Após a cirurgia da escoliose, os pacientes geralmente começam a sentar na cama no dia seguinte e andar no segundo dia após a cirurgia.  O tempo de internação hospitalar total é geralmente de 3 a 4 dias. Os pacientes podem voltar para a escola/trabalho cerca de 2 a 4 semanas após a cirurgia, mas sua atividade esportiva deve ser limitada até a consolidação óssea da cirurgia (fusão/artrodese). Esse tempo leva de 4 a 6 meses. As demais atividades são liberadas.

Preciso usar algum colete ou ficar imóvel depois da cirurgia?

Normalmente não. Não há necessidade de coletes após a cirurgia, muito menos deixar de fazer sua atividade habitual. Entretanto, é importante notar que alguns movimentos podem ser um pouco limitados e até causar dor nos primeiros três meses após a cirurgia. Esses movimentos são o de flexão total da coluna (dobrar a coluna para frente), levantamento de pesos e torção do tronco (girar o tronco com o quadril parado). Em alguns casos especiais será necessário o uso do colete.

Como é feito o acompanhamento após a cirurgia?

Geralmente o paciente é acompanhado com exames periódicos de raio-x para avaliar a consolidação óssea (fusão) da cirurgia até os primeiros 6 meses da cirurgia. Após este período o acompanhamento é anual.  Uma vez que o osso teve uma fusão sólida, nenhum outro tipo de tratamento é necessário.

Como é a vida após a consolidação da cirurgia?

Os pacientes podem retomar níveis normais de atividade após a consolidação da cirurgia e não há limitações residuais. Pacientes do sexo feminino podem engravidar normalmente e até ter parto normal.

A escoliose pode ser definida como desvio lateral no plano frontal da coluna acima de 10 graus.








 

 Na prática, entretanto, constatamos que a deformidade é tridimensional, resultando em ombros desnivelados, assimetria do triângulo de talhe e giba costal proeminente na região da convexidade da curva. Esta, muitas vezes, é a queixa estética principal do paciente. Apesar de várias hipóteses, a etiologia desta deformidade ainda é desconhecida. A faixa etária mais acometida é entre 10 e 18 anos, com nítida preferência pelas adolescentes do sexo feminino. A história natural da escoliose idiopática do adolescentes é conhecida. Estudos observacionais de série de casos ilustram a grande morbi-mortalidade de adolescentes portadores desta afecção, em razão da falência cardiorrespiratória (cor pulmonale) nas adolescentes não tratadas com curvas progressivas. Por isso, há consenso quanto à necessidade de parar o crescimento da curva, mediante uso de órteses – em curvas com valor angular entre 20 graus e 40 graus – ou cirúrgico - curvas acima de 45 graus em adolescentes com potencial de crescimento. O objetivo adicional da cirurgia é a correção estética da deformidade para atingir um tronco compensado e ombros nivelados. Para isso, a maioria dos cirurgiões utiliza implantes metálicos posteriores para a fusão óssea definitiva (artrodese) das curvas principais e estruturadas de acordo com os princípios de tratamento descritos por King-Moe. As estratégias de instrumentação posterior vigentes para correção da curva, por meio de hastes metálicas,

incluem: uso de fios sublaminares, de ganchos, de ganchos associados a parafusos pediculares (instrumentação híbrida) e apenas de parafusos pediculares. As manobras de correção, por seu turno, incluem: translação, derrotação, modelagem in situ e cantelever. Em geral, os trabalhos comparativos analisam desfechos clínicos do tipo complicações e questionário de satisfação da Scoliosis Research Society (SRS); e radiográficos como correção da deformidade, perda da correção e compensação do tronco.